As mentiras do Apocalipse Protestante! 

Quando foi escrito o Apocalipse? Antipas Morreu!

Quando foi escrito o Apocalipse? Antipas Morreu!

Quando foi escrito o Apocalipse? (Antipas de Pérgamo)

“Sei onde habitas: aí se acha o trono de Satanás. Mas tu te apegas firmemente ao meu nome e não renegaste a minha fé, mesmo naqueles dias em que minha fiel testemunha Antipas foi morto entre vós, onde Satanás habita”  (Apocalipse, Capítulo II Verso XIII)

Bem meu irmão, infelizmente existe alguns sites heréticos, satânicos e mundanos, perdidos nessa NET da vida, nesse submundo do embuste religioso, propagando mentiras e afirmações equivocadas a respeito do Apocalipse; pena que todos esses sites já naufragaram em suas próprias tormentas, sendo que alguns desses sites, nem sequer chegou a existir, outros que existiram, morreram pelo caminho da perdição. O que faremos aqui? Simplesmente, divulgar as refutações já existentes, e, contribuir cada vez mais para o naufrágio desses sites heréticos, satânicos e mundanos.

A mentira do momento é:

Afirmar que o Apocalipse de João, jamais poderia ter sido escrito antes de 70 D.C. Ou seja, antes da destruição do templo, pois segundo esses sites, os padres da igreja, que supostamente eram doutorados em profecias apocalípticas (ironia), afirmavam que o Apocalipse de João, fora escrito depois da destruição do templo, sendo assim, acabaria com a interpretação correta do Apocalipse, onde afirmamos que as tribulações ocorreram durante o cerco de Jerusalém e a destruição do Templo.

“Como lhe chamassem a atenção para a construção do templo feito de belas pedras e recamado de ricos donativos, Jesus disse: Dias virão em que destas coisas que vedes não ficará pedra sobre pedra: tudo será destruído. Então o interrogaram: Mestre, quando acontecerá isso? E que sinal haverá para saber-se que isso se vai cumprir?” (Evangelho de São Lucas, Capítulo XXI, Versos V,VI e VII)

Pelo visto, a opinião de Jesus Cristo, não possui valor algum dentro da teologia protestante, pois era justamente da destruição do Templo que ele, nosso Deus e Salvador, se referia ao narrar às tribulações do Apocalipse em: (Mateus 24, Marcos 13 e Lucas 21); e não fica por ai, quando indagado pelos Santos Apóstolos sobre o momento que tudo iria acontecer: “Mestre, quando acontecerá isso? E que sinal haverá para saber-se que isso se vai cumprir?” .

Jesus Cristo responde: Quando virdes que Jerusalém foi sitiada por exércitos, então sabereis que está próxima a sua ruína” (Evangelho de São Lucas, Capítulo XXI, Versos  XX)

Então eu pergunto aos teólogos protestantes: Quando foi que Jerusalém fora sitiada por exércitos e o Templo fora destruído? Simples essa resposta, porém, se tiverem medo de responder, Jesus Cristo responde:

“Em verdade vos declaro: não passará esta geração antes que tudo isto aconteça” (Evangelho de São Mateus, Capítulo XXIV, Verso XXXIV)

Segundo Jesus Cristo, a grande tribulação, era para se cumprir naquela geração Apostólica; então eu pergunto:

  1. Naquela geração, Jerusalém fora sitiada?
  2. Naquela geração, o Templo fora destruído?
  3. Naquela geração, os Cristãos foram perseguidos?

Eu creio que sim, qualquer estudioso sabe dos eventos ocorridos no primeiro século da era Cristã.

Bem, voltando ao assunto, segundo os rebelados, os padres da igreja eram contra a visão de Jesus Cristo sobre o quando iria se cumpri as tribulações dos Apocalipse; o que é um absurdo! E para tentar justificar essa heresia, além de querer atribuir ao Apocalipse uma datação que não existe, esse bando de rebelados, querem atribuir por conta própria, datas para os mártires da Santa Igreja. Segundo eles, Antipas de Pérgamo, teria sido martirizado no reinado de Domiciano, ou seja, depois da destruição do Templo, sendo assim, o Apocalipse de João, jamais poderia ter sido escrito antes de 70 D.C. O que tornaria o Apocalipse um livro totalmente futurista e pronto para as MENTIRAS DO APOCALIPSE PROTESTANTE. Mas será verdade isso?

Eles tentam segurar essa heresia pelos equívocos de um site Ortodoxo, aliás, apenas um site, pois todos os outros sites Ortodoxos são unânimes em afirmar que Antipas de Pérgamo fora martirizado no reinado de CEZAR NERO.

O que eu farei nesse artigo é justamente destruir essa heresia, irei provar que: 

  1. Os Padres da Igreja não possuíam uma exata compreensão do Apocalipse.
  2. Os Padres da Igreja se contradiziam quando a interpretação e a datação do Apocalipse.
  3. O Apocalipse era um livro misterioso aos Padres da Igreja onde muitos não o catalogava como um livro canônico.
  4. Os Padres da Igreja pregavam abertamente que (Mateus 24, Marcos 13, Lucas 21 e as profecias de Daniel) haviam se cumprido durante a Destruição do Templo.
  5. Muitos Padres da Igreja afirmaram que o Apocalipse fora escrito antes da Destruição do Templo.
  6. E que a tradição afirma que Antipas de Pérgamo fora martirizado durante o reinado de CEZAR NERO.

Antes de tudo, quero afirmar que eu não sou preterista como dizem alguns desses sites, eu apenas acredito na verdade, mesmo que essa verdade machuque os hereges, eu sou Católico, e, Católico não se rotula.

Vamos começar provando que os Padres da Igreja eram sinceros ao afirmar que não possuíam muita compreensão sobre o Apocalipse, e, se contradiziam entre si. Observem o que diz Euzébio de Cesareia.

“Logo continuando, pouco mais abaixo, diz o seguinte sobre o Apocalipse de João: Assim, pois, alguns dos nossos antecessores rechaçaram como espúrio e desacreditaram por completo o livro, examinando capítulo por capítulo e declarando que era ininteligível e ilógico, e seu título enganoso” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesareia Livro VII, Capítulo XXV, Verso I)

Segundo Euzébio, para alguns Padres antecessores a ele, o livro do Apocalipse de João era ININTELIGÍVEL. Prestem atenção nesse termo usado por Euzébio, parece uma palavra qualquer, mas vamos ao dicionário ver o seu significado:

I·nin·te·li·gí·vel - (latim inintelligibilis, -e):

Que não se pode entender; cujo sentido é difícil de captar; complexo; complicado; confuso; enigmático; impenetrável; inacessível; incompreensível; misterioso; obscuro.

Ou seja, meus irmãos, Euzébio afirma que para muitos dos Padres da Igreja, o Apocalipse era incompreensível, eles não entendiam o Apocalipse. Bem, o próprio Euzébio, no mesmo texto, afirma não ter entendido o Apocalipse de João. Observem:

Eu, de minha parte, não poderia me atrever a rechaçar o livro, pois são muitos os irmãos que o tomam a sério, mas ainda admitindo que o pensamento que encerra excede minha própria inteligência, suponho que o sentido de cada passagem está em certo modo encoberto e é bastante admirável, porque, mesmo que não o compreenda, ainda assim suspeito ao menos que nas palavras se encerra alguma intenção mais profunda” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesareia Livro VII, Capítulo XXV, Verso IV)

Depois do que acabamos de ler eu pergunto: Podemos levar em consideração as afirmações de alguns dos Padres da igreja para definir quando o Apocalipse fora escrito e do que se tratava o assunto? Observem como os Padres da Igreja eram humildes, eles afirmavam não entender o Apocalipse, quem dera os protestantes tivessem essa humildade!

Bem, agora eu vou mostrar que além dos Padres não entender o Apocalipse, eles se contradiziam entre si. Observe o que diz São Jerônimo:

"Como para o Anticristo, não há dúvida, mas o que ele vai lutar contra a santa aliança... esses eventos foram tipicamente prefigurados sob Antíoco Epifânio, de modo que este rei abominável que perseguiram o povo de Deus prefigura o Anticristo, que está a perseguir o povo de Cristo. E assim há muitos de nosso ponto de vista que pensam que Nero era o anticristo por causa de sua selvageria e depravação” (São Jerônimo - Comentário sobre Daniel, notas sobre Daniel 11:27-30, - Baker Book House Grand Rapids, Michigan, 1958)

Segundo São Jerônimo, um dos maiores doutores da Igreja Católica, Antíoco Epifanes, era a pré-figuração do Anticristo que iria perseguir os Cristãos, e, muitos Padres da Igreja pensavam que esse anticristo era CEZAR NERO. Perceberam como dentro da patrística, existia uma série contradição segundo a interpretação do Apocalipse? Uns pensavam que o Anticristo ainda iria aparecer, outros já acreditavam que era Cezar Nero esse Anticristo. Ou seja, os Padres da Igreja não possuíam um real entendimento sobre o Apocalipse de João.

Observem como Euzébio fala a respeito dessa contradição:

Quanto ao Apocalipse, ainda hoje a opinião de muitos divide-se em um ou outro sentido. Também ele receberá no devido tempo sua sanção, extraída do testemunho dos antigos” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesareia Livro III, Capítulo XXIV, Verso XVIII)

Será que podemos levar em consideração a Patrística para tentar interpretar o Apocalipse? Como vemos, eles também possuíam uma série de dúvidas a respeito desse maravilhoso livro.

Bem, agora eu vou mostrar, que o Apocalipse, além de ser um livro incompreensível aos Padres da Igreja, não era um livro canônico, pelo contrario, o Apocalipse era um livro espúrio. Observem as palavras de Euzébio:

“Logo continuando, pouco mais abaixo, diz o seguinte sobre o Apocalipse de João: Assim, pois, alguns dos nossos antecessores rechaçaram como espúrio e desacreditaram por completo o livro, examinando capítulo por capítulo e declarando que era ininteligível e ilógico, e seu título enganosoDizem mesmo que não é de João e que tampouco é Apocalipse, estando como está bem velado com o grosso manto da ignorância, e que o autor deste escrito não só não foi nenhum dos apóstolos, mas que nem sequer nenhum santo ou membro da Igreja em absoluto, mas Cerinto, o mesmo que instituiu a heresia cerintiana e que quis dar credibilidade a sua própria invenção com um nome digno de fé” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesareia Livro VII, Capítulo XXV, Versos I e II)

Aqui complica a situação protestante, prestem atenção no que diz Euzébio, segundo alguns de seus antecessores o Apocalipse era:

  1. Livro espúrio;
  2. Ilógico;
  3. Título enganoso;
  4. O autor possuía uma falsidade ideológica;
  5. E ainda, atribuiu essa obra a um herege do primeiro século chamado Cerinto;
  6. Assim, fica evidente que a Patrística não entendia muito bem sobre o Apocalipse.

Mas o leitor pode estar se perguntando: Se o Cris Macabeus diz que a patrística não é o melhor lugar para buscar a interpretação do Apocalipse, então, por que ele usa a Patrística em seus artigos? A resposta é simples: A Patrística não entendia muito bem do Apocalipse, mas eles entendiam muito bem (Mateus 24, Marcos 13, Lucas 21 e as profecias de Daniel), sem conseguir ligar esses textos ao Apocalipse, eles os interpretavam perfeitamente, no qual, hoje sabemos que se trata do próprio Apocalipse. Ou alguém é louco de dizer que Mateus 24, por exemplo, não se trata do próprio Apocalipse de João?

Observem o que diz Euzébio a respeito de (Mateus 24, Marcos 13, Lucas 21).

Também o povo da igreja de Jerusalém, por seguir um oráculo enviado por revelação aos notáveis do lugar, receberam a ordem de mudar de cidade antes da guerra e habitar certa cidade da Pereia chamada Pella. Tendo os que creram em Cristo emigrado até lá desde Jerusalém, a partir deste momento, como se todos os homens santos tivessem abandonado por completo a própria metrópole real dos judeus e toda a região da Judeiaa justiça divina alcançou os judeus pelas iniquidades que cometeram contra Cristo e seus apóstolos, e apagou dentre os homens toda aquela geração de ímpios(História Eclesiástica de Euzébio de Cesareia Livro III, Capítulo V, Verso III)

Bem, Euzébio, se refere a um oráculo enviado aos Santos para FUGIR de Jerusalém antes da Guerra que iria castigar os Judeus.

Onde podemos encontrar esse oráculo enviado aos Santos? Simples, encontramos no Evangelho de São Lucas.

Quando virdes que Jerusalém foi sitiada por exércitos, então sabereis que está próxima a sua ruína. Os que então se acharem na Judeia fujam para os montes; os que estiverem dentro da cidade retirem-se; os que estiverem nos campos não entrem na cidade. Porque estes serão dias de castigo, para que se cumpra tudo o que está escrito (Evangelho de São Lucas, Capítulo XXI, Versos XX, XXI e XXII)

Agora eu pergunto aos protestantes: Essa profecia de Jesus Cristo a respeito das tribulações do Apocalipse, segundo os Padres da Igreja, se cumpriu na destruição de Jerusalém ou não?

Vamos continuar, não paramos por aqui, Euzébio, assim como muitos outros Padres da Igreja, tem muito para nos contar.

“Quem, pois quiser saber com exatidão os males que então caíram sobre a nação em todo lugar, e como especialmente os habitantes da Judeia viram-se empurrados ao fundo das calamidades, quantos milhares de jovens, de mulheres e de crianças morreram pela espada, pela fome, e inúmeras outras formas de morte, e quantas e quais cidades da Judeia foram sitiadas, e também quantos horrores e pior do que horrores atingiram os que se refugiaram na mesma Jerusalém, por ser uma metrópole muito fortificada, assim como a índole de toda a guerra, os acontecimentos que nela se sucederam e como, finalmente, a abominação da desolação anunciada pelos profetas se instalou no próprio templo de Deus, tão célebre antigamente, que sofreu todo tipo de destruição e, por último, foi aniquilado pelo fogo: tudo isso encontrará na narrativa escrita por Josefo” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesareia Livro III, Capítulo V, Verso IV)

Continuando o mesmo texto, Euzébio, usando os escrito do maior Historiador do primeiro século, Flávio Josefo, aquele que narrou à destruição do Templo de Jerusalém, Euzébio diz: “finalmente, a abominação da desolação anunciada pelos profetas se instalou no próprio templo de Deus”.

Segundo Euzébio, a destruição de Jerusalém correspondia à profecia da desolação e abominação anunciada pelos profetas, dentro do Templo de Deus. Onde encontramos essas profecias?

“Quando virdes estabelecida no lugar santo a abominação da desolação que foi predita pelo profeta Daniel (9,27) - o leitor entenda bem - então os habitantes da Judeia fujam para as montanhas” (Evangelho de São Mateus, Capítulo XXIV, Versos XV e XVI)

Jesus Cristo cita uma profecia, no qual Euzébio afirma ter se cumprido durante a destruição de Jerusalém. Será mesmo que os Padres da Igreja não acreditavam que as tribulações aviam se cumprido?

Reforçando essa ideia de Euzébio, podemos citar Clemente de Alexandria, ele também afirma que a abominação e a desolação citada por Jesus Cristo, segundo o livro de Daniel, se cumpriu na destruição de Jerusalém.

Cristo tornou-se rei dos judeus, reinando em Jerusalém no cumprimento de sete semanas”. Mas, nas sessenta e duas semanas, toda a Judeia era estava em paz, e Cristo, nosso Senhor, tendo vindo e cumprido a visão e a profecia, foi ungido na sua carne pelo Espírito Santo de seu pai. Naquelas (sessenta e duas semanas), como disse o profeta, e no meio de uma semana ele era Senhor, e, a metade da semana Nero dominou, e a cidade santa de Jerusalém caiu sobre a abominação; e na metade da semana ele foi tirado, e Otho, Galba, Vitélio e Vespasiano subiram ao poder supremo, destruíram Jerusalém e desolou o lugar santo, tais são os fatos do caso, está claro para ele que é capaz de compreender, como disse o profeta” (Clemente de Alexandria, Stromata, Livro I, Capítulo XXI)

Parece que para Clemente, a tribulações também ocorreram durante a destruição do Templo.

Mas não quero deixar Euzébio e Clemente de (Alexandria) sozinhos nessa, quero também expor os pensamentos de Tertuliano ao tema proposto.

Vespasiano, no primeiro ano de seu império, subjuga os judeus na guerra, no dia de seu ataque aos judeus, cumpriram as abominações prevista pelo profeta Daniel” (Uma Resposta aos Judeus, Capítulo VII)

Parece-me que Euzébio e Clemente, não estavam sozinhos nessa linha de pensamento, tiveram a ajuda de Tertuliano. Mas não acabou ainda, temos o relato de Sulpcius Severo.

"A partir da restauração do templo, à sua destruição, que foi completado por Tito no reinado de seu pai Vespasiano, quando Augusto foi cônsul, houve um período de (483) anos, que antigamente era previsto por Daniel, no qual anunciou que a partir da restauração do templo para sua derrubada, haveria que decorrer setenta e nove semanas. Agora, a partir da data do cativeiro dos judeus até o tempo da restauração da cidade, havia (260) anos" (Sulpcius Severo p. 254, cap. 11, História Sagrada)

Assim compreendemos que segundos os Padres da Igreja, a abominação e a desolação profetizada por Daniel e enfatizada por Jesus Cristo, se cumpriram durante a destruição do Templo de Jerusalém.

Voltamos para Euzébio de Cesareia, continuaremos a ler seu maravilhoso livro História Eclesiástica, nesse maravilhoso livro, encontramos o seguinte texto:

“É justo acrescentar a pregação infalível de nosso Salvador pela qual mostrava estas mesmas coisas quando profetizava assim: AÍ das que estiverem grávidas e das que amamentarem naqueles dias! Orai para que a vossa fuga não se dê no inverno, nem no sábado; porque nesse tempo haverá grande tribulação, como desde o princípio do mundo até agora não tem havido, nem haverá jamais” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesareia Livro III, Capítulo VII, Verso I)

Euzébio cita um trecho do Evangelho de São Marcos, onde diz a respeito das mulheres grávidas que iriam fugir de Jerusalém e também da grande tribulação que viria sobre a cidade. Isto ele cita no verso primeiro do capítulo três de seu livro, o mais importante está no terceiros verso desse mesmo texto, pois ele afirma que tudo isso aconteceu no segundo ano do reinado de Vespasiano.

Estes acontecimentos ocorreram deste modo no segundo ano do império de Vespasiano, segundo as predições de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, que, por seu divino poder, havia visto de antemão estas mesmas coisas como se já estivessem presentes e havia chorado e soluçado, segundo a Escritura dos sagrados evangelistas, que inclusive acrescentam suas próprias palavras: umas, as que disse dirigindo-se à mesma Jerusalém” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesareia Livro III, Capítulo VII, Verso III)

Realmente eu poderia acabar esse artigo aqui, pois se o maior Historiador do terceiro século afirma que as tribulações ocorreram no primeiro século, quem sou eu para contraria? Mas a ala protestante é mais sábia que Euzébio de Cesareia e todos os outros citados por mim, porém, não quero parar por aqui, vou acrescentar mais uma narrativa de Euzébio, agora, falando sobre os que seriam levados cativos para todas as nações. Observem, pois é uma continuação da narrativa acima, onde Euzébio afirma que tudo aconteceu no segundo ano do reinado de Vespasiano:

Segundo a Escritura dos sagrados evangelistas, que inclusive acrescentam suas próprias palavras: umas, as que disse dirigindo-se à mesma Jerusalém. Se tu conheceras ao menos neste dia o que diz respeito a tua paz! Mas agora está oculto aos teus olhos. Porque virão dias sobre ti, e teus inimigos te rodearão de paliçadas, te cercarão e por todos os lados te apertarão. E te assolarão a ti e a teus filhos.  E outras como referindo-se ao povo: Porque haverá grande necessidade sobre a terra e ira contra este povo. E cairão ao fio da espada e serão levados cativos a todas as nações. E Jerusalém será pisoteada pelos gentios, até que sejam cumpridos os tempos destes povos. E outra vez: E quando virdes Jerusalém cercada por exércitos, sabei então que terá chegado sua desolação” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesareia Livro III, Capítulo VII, Verso III, IV e V)

No texto, segundo a narrativa de Euzébio, foram citadas três profecias a respeito de Jerusalém, que por sinal, podemos encontrá-las dentro dos Evangelhos, e, nos mesmos textos onde Jesus Cristo profetiza as tribulações do Apocalipse. Observem:

Onde encontramos a primeira profecia?

“Dizendo: Ah! Se tu conhecesses também, ao menos neste teu dia, o que à tua paz pertence! Mas agora isto está encoberto aos teus olhos. Porque dias virão sobre ti, em que os teus inimigos te cercarão de trincheiras, e te sitiarão, e te estreitarão de todos os lados; E te derrubarão, a ti e aos teus filhos que dentro de ti estiverem, e não deixarão em ti pedra sobre pedra, pois que não conheceste o tempo da tua visitação” (Evangelho de São Lucas, Capítulo XXIX, Versos XLII,  XLIII e XLIV)

A primeira profecia foi retirada do evangelho de São Lucas, onde Jesus Cristo já anunciava o que viria sobre Jerusalém.

Onde encontramos a segunda e a terceira profecia?

“Mas, quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei então que é chegada a sua desolação.Então, os que estiverem na Judeia, fujam para os montes; os que estiverem no meio da cidade, saiam; e os que nos campos não entrem nela. Porque dias de vingança são estes, para que se cumpram todas as coisas que estão escritas. Mas ai das grávidas, e das que criarem naqueles dias! Porque haverá grande aperto na terra, e ira sobre este povo. E cairão ao fio da espada, e para todas as nações serão levados cativos; e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se completem” (Evangelho de São Lucas, Capítulo XXI, Versos XXI, XXII, XXIII e XXIV)

Exatamente no capítulo onde Jesus Cristo profetiza todas as tribulações do Apocalipse! Não podemos nos esquecer de que na mesma narração, Euzébio afirma: “Estes acontecimentos ocorreram deste modo no SEGUNDO ANO do império de VESPASIANO, segundo as predições de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo”.

Para quem possuí o mínimo de conhecimento histórico, sabe que o segundo ano do reinado de Vespasiano ocorreu por volta de (72 D.C.). Mas ainda existirá por muito tempo, lunáticos, alônicos e banzolonicos, que insistirá na afirmação de que os Padres da Igreja eram hereges como os protestantes de hoje em dia e acreditavam nas: MENTIRAS DO APOCALIPSE PROTESTANTE.  

Bem, agora eu vou mostrar que muitos dos Padres da Igreja, acreditavam que o Apocalipse fora escrito antes da destruição do Templo, tudo é uma questão de interpretação de texto. Observem:

*Todos os textos tiveram que ser traduzidos, pois eram originalmente em Inglês. 

Arethas diz que o Apocalipse começou a ser escrito por São João desde sua estadia em Éfeso, e, tais profecias se cumpriam durante o sitio de Jerusalém e a Destruição do Templo:   

"Porque havia muitos, sim, uma incontável multidão de entre os judeus, que acreditavam em Cristo: como eles mesmos disseram a São Paulo em sua chegada a Jerusalém: Tu vês irmão, quantos milhares de judeus abraçaram a fé. (Atos 21. 20.) E aquele que deu esta revelação para o evangelista, declara que estes homens não devem partilhar a destruição infligida pelos romanos. Porque a ruína trazida pelos romanos ainda não tinha caído sobre os judeus, quando este Evangelista recebeu estas profecias: e ele não receba em Jerusalém, mas em Iconia perto de Éfeso porque depois do sofrimento do Senhor, ele permaneceu apenas 14 anos em Jerusalém, durante os quais recebeu a mãe do Senhor, que concebeu esta descendência divina, foi preservada nesta vida temporal, após o sofrimento e ressurreição de seu Filho incorruptível. Porque ele (João)  continuou com ela sendo como sua mãe comprometida pelo Senhor. Porque depois da sua morte é relatado que ele não escolheu para permanecer na Judeia, mas passou a Éfeso, onde, como já dissemos, este Apocalipse presente também foi composto, que é uma revelação das coisas futuras, na medida em que 40 anos depois da ascensão do Senhor esta tribulação veio sobre os judeus " (Arethas de Cesareia século VIII, Comentários sobre Apocalipse.) 

Nessa obra, Clemente de Alexandria, afirma que o ministério Apostólico (seus ensinamentos) termina com Paulo no reinado de CEZAR NERO.  Se tudo termina em CEZAR NERO, não temos mais revelações e ensinamentos Apostólicos posteriores ao Reinado de CEZAR NERO.

"Para o ensino de nosso Senhor na Sua vinda, começando com Augusto e Tibério, foi concluída em meados da época de Tibério. E a dos apóstolos, abraçando o ministério de Paulo, [seus ensinos] terminou com Nero" (Clemente de Alexandria 150-215, Miscellanies 7:17)

Do mesmo modo, em Epifanias diz:

“O Apocalipse foi escrito em Cezar Nero (Epifanias 315-403, Heresias 51:12)

Hermas no Cânon de Muratori Afirma que São Paulo também escreveu a apenas sete Igrejas, usando as REGRAS de seu antecessor São João, ou seja, São Paulo usou a regra no qual São João usou em Apocalipse. Lembrando: (São Paulo foi martirizado antes da destruição do Templo no Reinado de CEZAR NERO).

"O bem-aventurado apóstolo Paulo, seguindo a REGRA de seu antecessorJoão, escreve a não mais de sete igrejas pelo nome" (Cânon de Muratori -170 D.C.)

Segundo Hermans, São João escreveu o Apocalipse antes do martírio de São Paulo, no qual ocorreu no reinado de CEZAR NERO.

Tertuliano, que foi contemporâneo de Santo Irineu, afirma que São João foi banido para ilha de Patmos, já no reinado de CEZAR NERO. Isto ocorreu no mesmo momento que São Pedro e São Paulo foram martirizados, ou seja, antes da destruição do templo. 

"Quão feliz é a sua igreja, em que os apóstolos derramaram toda a sua doutrina, juntamente com o seu sangue! onde Pedro durante a sua paixão como a do seu Senhor; onde Paulo ganha sua coroa em uma morte, como a de João Batista! onde o apóstolo João pela primeira vez caiu, ileso, em óleo fervente, e daí banido para sua ilha-exílio" (Tertuliano, a prescrição contra os hereges, trans. por Peter Holmes Vol. III, Os Padres Ante-Nicene, ed Alexander Roberts e James Donaldson, Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Publishing Company, 1951; p. 260), I, 36.)

Para terminar com essa questão sobre a datação do Apocalipse, vou colocar o texto de Santo Agostinho, um dos maiores doutores da Igreja, respeitado por Católicos, Ortodoxos e até protestantes. Observem o que diz Santo Agostinho:

"O que significa a declaração, que o mistério da iniquidade já opera?... Alguns supõem que isso seja dito da parte do imperador romano, e, portanto, Paulo não falou em palavras claras, porque ele não teria suportado a acusação de calúnia por ter falado o mal do imperador romano: embora ele sempre esperava que o que tinha dito que seria entendido como aplicação a Nero" (Santo Agostinho, citado por Moisés Stuart, em Apocalipse)

Com essas palavras, Santo Agostinho, acabou com todo retardadismo protestantes sobre o Apocalipse. Segundo Santo Agostinho, os contemporâneos da época, acreditavam que São Paulo ao afirmar que O MISTÉRIO DA INIQUIDADEOPERA (no presente), se referia exatamente ao Império Romano, ou seja, eventos que São Paulo estava vivendo e presenciando, mais precisamente no Reinado de CEZAR NERO. Segundo o texto, São Paulo não dizia explicitamente que era o Império Romano para evitar represálias. Seguindo essa lógica, podemos afirmar que São João tenha usado a mesma tática no Apocalipse.

Por esses textos, de vários séculos, podemos compreender exatamente que jamais o livro do Apocalipse fora escrito do dia para noite e muito menos depois da Destruição do templo, sendo que o mesmo se refere exatamente aos fatos ocorridos por volta de 70 D.C. Quando o Império Romano invade Jerusalém e derruba o Templo, todos esses eventos, foram acompanhados por sinais nos céus, guerras, terremotos, fome, peste e uma enorme perseguição contra os Cristãos. 

Terminando meu artigo, quero comentar sobre Antipas de Pérgamo, mártires da Igreja no primeiro século da era Cristã, segundo os protestantes de hoje e dia, eles descobriram a DATA em que esse Santo da Igreja fora martirizado, usando um site Ortodoxo totalmente equivocado, os protestantes, afirmam que Antipas de Pérgamo, fora martirizado durante o Reinado de Domiciano, ou seja, depois da destruição do Templo, sendo assim, jamais São João teria escrito o Apocalipse antes de 70 D.C.

O que acontece caro leitor, essas suposições sobre datas e martírios, todas foram levantadas em cima das tradições, onde muitos artigos (principalmente protestantes) se equivocaram em certas traduções e acrescentaram informações indevidas. Muitos textos da patrística apresentados pelos protestantes onde diz: “Apocalipse foi escrito durante o Reinado de Domiciano” ou “Tal pessoa morreu no Reinado de Domiciano”.

São frutos de suposições, muitos desses textos, ao invés de trazer o nome (Domiciano), no original traz o nome (Tirano), onde eles traduzem por conta própria e acrescenta o nome Domiciano como significado desse tirano, porém, não podemos nos esquecer de que o maior tirano do primeiro século foi CEZAR NERO.

Sem levar isso em consideração, pois tradução não é minha especialidade, quero mostrar aos leitores, que o site Ortodoxo apresentado pelos alonicos e banzolonicos está equivocado, pois existem outros sites Ortodoxos que afirmam:

ANTIPAS DE PÉRGAMO viveu e fora martirizado durante o Reinado de CEZAR NERO.

Observem:

*Texto retirado do site ortodoxo: Orthodox Church in America.

http://oca.org/saints/lives/2013/04/11/101052-hieromartyr-antipas-the-bishop-of-pergamum-and-disciple-of-st-jo

Antipas Hieromártir, discípulo do Apóstolo João, o Teólogo, foi bispo da Igreja de Pérgamo durante o reinado do imperador Nero.

Naquele tempo, todos os que não iria oferecer sacrifício aos ídolos, viviam sob a ameaça de qualquer exílio ou execução por ordem do imperador. Na ilha de Patmos (no Mar Egeu), o Apóstolo João, o Teólogo, foi preso, aquele a quem o Senhor revelou o futuro julgamento do mundo e da Santa Igreja.

E ao anjo da igreja de Pérgamo escreve : as palavras daquele que tem a espada afiada de dois gumes. Eu sei onde você mora, onde está o trono de Satanás , e apegar-se a meu nome , e não renunciaram a minha fé , mesmo nos dias em que Antipas , minha fiel testemunha , o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita (Ap 2:12-13 ).

Por seu exemplo pessoal, a fé firme e constante pregação a respeito de Jesus Cristo, São Antipas fez com que o povo de Pérgamo deixasse de oferecer sacrifício aos ídolos. Os sacerdotes pagãos repreendeu o bispo, para liderar as pessoas longe de seus deuses ancestrais, e exigiu que ele parasse de pregar sobre Cristo e oferecer sacrifícios aos ídolos em seu lugar.

St Antipas calmamente respondeu que ele não estava disposto a servir os demônios ou a um mero mortal. Ele disse que adorava o Senhor Todo-Poderoso, e ele iria continuar a adorar o Criador de tudo, com o Seu Filho Unigênito, e o Espírito Santo. Os sacerdotes pagãos responderam que os seus deuses existiam desde os tempos antigos, enquanto que Cristo não era contemporâneo e foi crucificado sob Pôncio Pilatos como criminoso. O Santo respondeu que os deuses pagãos eram obra de mãos humanas, e, que tudo que é dito sobre eles estava cheio de maldades e vícios. Ele confessou sua firmeza na fé do Filho de Deus, encarnado da Santíssima Virgem.

Os sacerdotes pagãos enfurecidos arrastaram Antipas Hieromártir do templo de Artemis e jogou-o em um touro de cobre em brasa, onde geralmente eles colocam os sacrifícios aos ídolos. No forno em brasa o mártir orou em voz alta a Deus, pedindo a Ele para receber a sua alma e para fortalecer a fé dos cristãos. Ele foi para o Senhor em paz, como se ele estivesse indo dormir (+ ca. 68) .

Na noite, os cristãos levou o corpo de Antipas Hieromártir, que foi tocada pelo fogo. Sepultaram em Pérgamo. O túmulo do Hieromártir tornou-se uma fonte de milagres e de curas de diversas doenças.

Oramos para os Antipas Hieromártir para alívio da dor de dente, e doenças dos dentes.

Podemos encontrar o mesmo texto Inglês em outro site Ortodoxo:

http://www.holytrinityorthodox.com/calendar/los/April/11-01.htm

Com toda essa imprecisão de datas e martírios, fica difícil afirma que tal pessoa morreu em tal data ou em tal reinado, considerando todos os textos da patrística por mim citados, concluímos que jamais Antipas de Pérgamos poderia ter sido martirizado depois do Reinado de CEZAR NERO; ou melhor, jamais o Apocalipse de João poderia ter sido escrito depois da Destruição do Templo.

Mais uma vez a mentira acaba.

Autor Cris Macabeus e Antônio Carlos Cai a Farsa.

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
ONLINE
2


Cai a farsa.

Pro Ecclesia.

Servos de Maria.

Apologistas Católicos.

Índice de Mentiras.

Quem sou eu.